• (27) 98157 0018
  • (27) 3329 5599
  • Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Por enquanto, iniciativa só está disponível para o comércio

Uma fazenda sem produção agrícola, mas que produz energia solar em João Pinheiro, região Noroeste do Estado, é a proposta da Empresa Brasileira de Energia Solar (Ebes). “Há projetos similares no país. Só que o nosso diferencial é a comercialização de cotas, como se fosse uma assinatura, para o consumidor comercial”, diz o diretor de novos negócios da empresa, Rodolfo Molinari.

Ele explica que é como se o consumidor comercial alugasse uma parte da usina. A energia é conduzida normalmente pela distribuidora, que no caso é a Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), e entregue aos contratantes do modelo. “Portanto, poderemos atender onde a Cemig opera a rede. A conta de energia vai chegar normalmente, só que vai ser abatida a cota contratada, da mesma forma como acontece com quem tem uma usina de geração de energia solar em casa atualmente”, diz.

Planta aproveita resfriamento da água e reduz demanda por terra

PEQUIM — Enquanto os EUA sob o comando de Donald Trump parecem abdicar da liderança do combate às mudanças climáticas, a China, maior poluidora do mundo, continua avançando em projetos de energia limpa. Neste mês, a firma Sungrow anunciou a entrada em funcionamento da maior usina solar flutuante do mundo, instalada num lago de uma mina de carvão desativada em Huainan, na província de Anhui.

O diretor geral do Operador Nacional do Sistema Elétrico, Luiz Eduardo Barata, diz que a bandeira vermelha deve vigorar até fim da estação seca

O diretor geral do Operador Nacional do Sistema Elétrico, Luiz Eduardo Barata, descartou nesta quarta-feira que haja risco de racionamento, mas reconheceu que o consumidor deve permanecer pagando mais caro pela energia elétrica, devido ao acionamento de usinas térmicas. “Não temos risco de desabastecimento, mas o de ficar com uma conta muito alta é grande”, alertou Barata.

Navio sem marinheiros

O primeiro navio autônomo - e, além disso, totalmente elétrico - já tem data marcada para começar a navegar.

O Yara Birkeland deverá começar a operar na segunda metade de 2018, levando produtos da fábrica de fertilizantes da Yara em Porsgrunn, até as cidades de Brevik e Larvik - todas na Noruega.

O navio elétrico e autônomo deverá substituir 100 caminhões, que fazem 40.000 viagens por ano. Ele operará exclusivamente nessa rota, um trajeto de 12 milhas náuticas, pouco mais de 22 km.

A empresa Furnas Centrais Elétricas acaba de concluir a primeira fase do projeto de inovação tecnológica, desenvolvido em parceria com a Carbogás Energia Ltda, visando a geração de energia elétrica a partir de uma usina de tratamento de resíduos sólidos urbanos. O empreendimento utilizará a gaseificação a leito fluidizado, processo inovador com tecnologia 100% nacional e escolhido a partir de um cuidadoso trabalho de prospecção de alternativas no mercado nacional e internacional.